História

História InternacionalO Prémio foi fundado em 1956 no Reino Unido, pelo Duque de Edimburgo, o Educador alemão, Kurt Hahn e o Explorador Lord John Hunt, com o título “The Duke of Edinburgh’s Award”.  Espalhado por mais de 130 Países, a filosofia e o formato das 4 secções provaram ser jovial, atractivo e facilmente adaptável a diferentes culturas e línguas.

Em Maio de 1988 representantes dos programas do Prémio no Mundo reuniram-se em Brisbane, na Austrália e fundaram a Associação “The Duke of Edinburgh’s Award International Association” para gerir, coordenar e desenvolver o Programa a nível mundial, e manter os princípios e a sua qualidade.

O Prémio é um programa de educação não formal, de desenvolvimento pessoal e social, disponível para todos os jovens em todo o mundo que os prepara com competências para a vida para fazer a diferença consigo próprios, as suas comunidades e o mundo. Até à data mais de 10 milhões de jovens de mais de 130 países sentiram-se motivados para participar numa variedade de actividades voluntárias e desafiadoras.”
– Existem 70 Países Membros da Associação Internacional.
– Existem 130 Países que funcionam com o Programa (Membros totais, provisórios e Operadores independentes)

História nacional

  • Prémio Infante D. Henrique é a versão portuguesa de “The Duke of Edinburgh’s International Award” fundado no Porto em 1988 por S.A.R. o Duque de Bragança que, para além de membro fundador, é Presidente de Honra.
  • No final de 1990  iniciou as actividades em Lisboa.
  • Em 1991 mudou a sede social para Lisboa.
  • Em 1992 deu-se início à expansão do Prémio a nível nacional.
  • Em 1997 o Prémio foi aceite como Membro total (Full Member) da Associação Internacional “The Duke of Edinburgh’s Award International Association – International Award For Young People”.
  • O Prémio tem actualmente mais de 32 Unidades Operacionais a funcionar de Norte a Sul do País (Escolas, Universidades, Entidades e Instituições).
  • O Prémio tem uma centena de Monitores Voluntários.
  • O Prémio tem actualmente 20 Avaliadores de Jornadas de Aventura.
  • Em 2006 o Prémio candidatou-se à organização da 6ª conferência da Região Europeia, Mediterrâneo e Países Árabes, juntamente com o Programa na Alemanha e na Turquia.
  • No final de 2006, o Conselho Internacional (IC) seleccionou o Prémio como organizador e anfitrião da respectiva Conferência EMAS que decorreu em Lisboa, em Abril de 2008.
  • Entre 2007/2008 o Prémio iniciou um projecto-piloto no Estabelecimento Prisional do Linhó.
  • No final de 2008 o Prémio fez uma parceria com a Agência Cascais Natura, tendo adoptado um “Hectare de Oxigénio” e em 2009, adoptado novo Hectare.
  • O sucesso desta parceria resultou no pedido da Agência Unicef, das Nações Unidas, para apresentação de um estudo de caso que foi incluído em diversas publicações da Agência das Nações Unidas.
  • No início de 2009 o Prémio foi solicitado para apoiar a expansão do Programa em Angola, com o título “Mérito Juvenil de Angola” através do envio de um formador.
  • Em 2009, o Prémio foi considerado, um dos melhores Programas da Região EMAS, de acordo com e-mail recebido do Secretariado Internacional “ I’m delighted that the Premio will represent the IAA at the ECIS conference. As one of the best EMAS NAAs.”
  • Em meados de 2010, o Prémio foi convidado como Consultor para apoiar o lançamento do Programa em Espanha, na região da Extremadura.
  • Em 2010, o Escritório Europeu (EMAS Office), solicitou o nosso apoio para apoiar o “Desenvolvimento de uma Estratégia Regional de Formação”.
  • EMAS Office escreveu: “We decided on Portugal since it is one of the countries with the longest standing National Training Panels, established ion 2004, and achieved high scores in the Memberships criteria’s review in 2007….The final goal would be to then show case Portugal NTP (National Training Panel) as best practise among the region as to be included as a case study among within the Regional Training Strategy.”
  • Em 2010, o Prémio chega finalmente à Madeira com o lançamento do Núcleo na CM do Funchal.
  • São validadas pela primeira vez as duas Acções de Formação realizadas no Funchal.
  • Em 2011 são acreditadas pela primeira vez duas Acções de Formação realizadas em Lisboa, pelo Conselho Cientifico Pedagógico de Formação Continua, da Universidade do Minho.
  • Em 2012, o Prémio adopta modelo de gestão empresarial
  • Em 2012, o Prémio vê aprovado, um projecto de Serviço à Comunidade, pela Bolsa de Valores Sociais (BVS) Horta Jovem
  • Em 2013 o Prémio é considerado o “Passaporte para o Emprego” e um ano antes foi considerado o “Passaporte para as melhores Universidades”.
  • Em 2014, pelo 2º ano consecutivo, o Prémio mantém o projecto “Horta Solidária” cotado na Bolsa de Valores Sociais (BVS).
  • Em 2015, o Prémio validou e renovou com sucesso a licença internacional, tendo adoptado o endorsement de “ Proud to be The Duke of Edinburgh’s International Award in Portugal”
  • Em 2016, o Prémio candidatou-se com sucesso, à organização na Madeira, da 10ª Conferência Regional EMAS (Europa, Mediterrâneo e Países Árabes) do The Duke of Edinburgh’s International Award Foudation
  • Prémio tem nova Direcção, em Julho de 2017
  • Realizou-se em Setembro de 2017, no Funchal, Madeira, a “10th Regional EMAS Conference of The Duke of Edinburgh’s International Award”.
  • Disponibilizada a nova plataforma internacional “New Generation ORB” (Online Record Book a partir de Setembro 2017 (ano lectivo de 2017-2018) a todas as Unidades Operacionais que desejarem utilizar.
  • Em 2018/2019, o Prémio validou e renovou com sucesso a licença internacional, “ Proud to be The Duke of Edinburgh’s International Award in Portugal”